A FLOR DO LÁCIO

 
 





Com guitarra, percussão e viola caipira, espectáculo de poesia e canções, incluindo 4 canções originais: Caetano Veloso, Camões, Bernardo Soares, José Craveirinha, Olavo Bilac, Vinicius de Moraes, Oswald de Andrade, Alexandre O'Neill, Carlos Drummond de Andrade, Chico Buarque, Ruy Guerra, Fernando Pessoa, Cacaso, Murilo Mendes, Vasco Graça Moura, Agostinho Neto, Casimiro de Abreu, Natália Correia, José Paulo Paes, Gonçalves Dias, Jorge Vera-Cruz Barbosa, Joaquim Nabuco, Jorge de Lima e Castro Alves.


O título remete para o soneto de Olavo Bilac, no qual a língua portuguesa é apresentada como a “Última flor do Lácio”, derradeira flor que brotou da raiz latina. Procura-se, por exemplo, restabelecer pontes entre citações latinas (“navegar é preciso, viver não é preciso”), e a sua glosa por Bernardo Soares ou Caetano Veloso. A ideia de pátria linguística, o desejo de frátria, o exílio sentido pelos poetas brasileiros em Portugal, bem como o puro prazer convocado pela versatilidade sonora da língua portuguesa nas variantes dos seus sotaques, são algumas das possibilidades abordadas neste espectáculo, mas a grande ênfase vai para a língua que se forjou no bojo dos navios negreiros, integrando outras línguas e

dando origem a um novo Português,

língua dos mundos do mundo.



LÍNGUA PORTUGUESA

Olavo Bilac


Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela…


Amo-te assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela,
E o arrolo da saudade e da ternura!


Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”,


E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O génio sem ventura e o amor sem brilho!

 

uma viagem musical e poética

através da língua portuguesa

Youtube





Concepção e Direcção Geral: André Gago


Com:

André Gago (voz)

Carlos Mil-Homens (percussão)

João Penedo (guitarra)

e Gustavo Roriz (viola caipira)


Estreia absoluta:

Festival das Artes

Quinta das Lágrimas

Coimbra

23 Julho 2014


fotos ©Miguel Von Driburg

© Rui Soares Esteves