ANDRÉ GAGO

 
 




Actor, encenador, professor e autor. Em 2004 criou o Teatro Instável, onde encenou e actuou em “A Gargalhada de Yorick” , “Hamlet, Heterónimos, Pessoa”, “Noite Antiquíssima”, “Acerca de Música” e “Hamlet”. A Commedia dell'Arte e a sua paixão pela máscara levaram-no a estagiar com Ferrucio Soleri, no Piccolo Teatro di Milano.

Tendo representado Arlequim e Pantalone na companhia Meia Preta, começou a ensinar Técnica da Máscara em inúmeros cursos e workshops: Cendrev, Citac, Teatro Universitário do Porto, Universidade de Évora, Teatro Instável, etc. Adaptou Jorge de Sena e Aquilino Ribeiro para o palco, e traduziu e encenou “A Orquestra”, de Jean Anouihl, e “Hamlet”, de William Shakespeare. Ganhou, com o conto “O Circo da Lua”, publicado em 2001, o prémio Revelação da Associação Portuguesa de Escritores, e a partir do qual criou o espectáculo de Novo Circo “Lua!”. Em 2010 publica o seu primeiro romance, “Rio Homem”, finalista do prémio Leya e Prémio PEN Clube Portugal para Primeiro Romance. Tem uma vasta experiência como actor em televisão. Actuou de forma mais pontual, no cinema, destacando-se “Solo de Violino”, de Monique Rutler, e “Making Of”, de Thijs Bayens.
















                       

NOTA BIOGRÁFICA

Fotografias acima: em “Making Of” (foto de Jan Wouter, 2010); no Espaço Instável, em 2006 (foto de Telmo Rodrigues).




















Capa de “Rio Homem” (2010)

Prémio PEN Clube Primeira Obra















Capa de “O Circo da Lua” , com ilustração de Marina Palácio (prémio Revelação de Literatura para a Infância e Juventude da APE em 2001 e Melhor Ilustração Festival de BD da Amadora 2004).

O Teatro do Triângulo, nos armazéns portuários na zona de Santos, em Lisboa, foi o primeiro projecto teatral criado por André Gago (em 1986).

Como Carlos Gardel em “Adiós Muchachos”, de José Jorge Letria (1997)

em “O Físico Prodigioso”, no Teatro do Triângulo (1987)

Na escola, numa aula de teatro.