CAMINHA, PÊRO VAZ

 
 



“Caminha, Pêro Vaz” estreou no dia 16 de Julho de 2010 na Quinta das Lágrimas, em Coimbra, no âmbito da 2ª edição do Festival das Artes, cujo tema desta edição era “águas infindas”.


André Gago renova aqui a colaboração com Carlos Barretto, no contrabaixo. O resultado é uma leitura inesperada de um texto fundamental que, sendo um relato quase jornalístico do “achamento” do Brasil, feito na 1ª pessoa, é também uma peça de alto valor literário e simbólico no contexto da gesta marítima portuguesa.


Ao longo de cerca de 50 minutos, trechos da Carta seleccionados por André Gago combinam-se com a densidade sonora proposta por Barretto, em temas onde, por exemplo, um trabalho percussivo de ressonância exótica alterna com glosas do samba e da bossa nova, o que permite um subtil paradoxo, criando para o texto uma base rítmica que o familiariza com o ouvido contemporâneo.


Ao mesmo tempo, são projectadas imagens, recolhidas por André Gago, de entre as que compõem o vasto património iconográfico relativo à época, e que abrange cartografia, pintura, estampas, iluminuras e objectos.


A estas imagens juntam-se, numa colaboração especial, as fotografias do brasileiro Vitor Nogueira, acrescentando um impressivo realismo à imagerie exótica do índio, da fauna e da flora das terras de Vera Cruz...

A CARTA DE PÊRO VAZ DE CAMINHA

Youtube


http://www.youtube.com/watch?v=-SMl8vIRFcg






A Carta de Pêro Vaz de Caminha


Concepção Geral, Edição de Texto e Interpretação: André Gago;

Música Original:  Carlos Barretto (contrabaixo);

Colaboração Especial: Vitor Nogueira (fotografia);

Composição e Edição de Imagem: Pedro Ramos