NOITE ANTIQUÍSSIMA

 
 




Noite antiquíssima - a poética nocturna de Álvaro de Campos, dita pelo actor André Gago, é semeada na fértil improvisação ao piano por Nicholas McNair. O chegar auspicioso da noite dá lugar à vigília, à insónia e à noite terrível, a que seguem os clarões trémulos da aurora, anunciando um novo dia. Alguns dos mais belos poemas de Campos num recital apresentado pela primeira vez no 1º Festival de Artes (Quinta das Lágrimas, em Coimbra).


O espectáculo decorre num contínuo, entretecendo música e palavra, e prolonga-se por cerca de 50 minutos, sem intervalo.


Este espectáculo/recital  adapta-se às mais variadas circunstâncias: pequenos e grandes auditórios, salas mais intimistas ou grandes espaços ao ar-livre.

 

A POESIA NOCTURNA DE ÁLVARO DE CAMPOS

Youtube


http://www.youtube.com/watch?v=ckmQT0iXjss





Os poemas:

"O Sono que Desce Sobre Mim...", "Passagem das Horas", "No Fim de Tudo...", "Ah, o Crepúsculo, o Cair da Noite, o Acender das Luzes nas Grandes Cidades...", "Insónia", "Na Noite Terrível", "Dois Excertos de Odes (dois finais de odes, naturalmente)..." e "Começa a Haver Meia-Noite, e a Haver Sossego...".